10.2.11

Creme de alcachofras de Jerusalém e avelãs e uma dupla descoberta

Creme de alcachofras de Jerusalém e avelãs

Encanto-me com pouco: um sorriso, uma tarde de sol, um vaso de alecrim, um ingrediente novo. Sonho acordada com as possibilidades que um mundo novo encerra. Aguardo ansiosamente pelo momento em que, chegada a casa, posso provar, explorar, experimentar. Arrasto comigo um conformado Provador, cuja emoção é consideravelmente menor que a minha mas que compensa em abnegação o que lhe falta em espírito de aventura. É que isto de nunca se saber o que o prato nos reserva não é pêra doce.

As minhas rotinas levam-me ao mercado todas as manhãs de sábado e durante a semana a uma ou outra passagem no Brio, o supermercado biológico de bairro onde faço compras. Numa dessas passagens encontrei alcachofras de Jerusalém, que conhecia sobretudo através das palavras de Nigel Slater e do seu tratado sobre os vegetais, o livro Tender - volume I. A alcachofra de Jerusalém (Helianthus tuberosus) é também conhecida como tupinambor (provavelmente do francês topinambour) e pouco ou nada tem a ver com as alcachofras comuns (à excepção de algumas semelhanças no sabor). O que fazer então com alcachofras de Jerusalém? Sabendo da minha aquisição, a minha amiga Valentina enviou-me uma receita de Diana Henry, uma autora que eu desconhecia e que me cativou de imediato. Uma dupla e agradável descoberta!

Alcachofras de Jerusalém Creme de alcachofras de Jerusalém e avelãs



Creme de alcachofras de Jerusalém e avelãs
Adaptado livremente a partir de uma receita de Diana Henry

Serve 6-8 porções

2 colheres (sopa) manteiga
1 colher (sopa) azeite
2 alhos franceses, só a parte branca, fatiados
1 cebola, picada finamente
300g batatas (cerca de 2), em cubos
400g alcachofras de Jerusalém (cerca de 6-7)
850-900ml caldo de vegetais
200ml leite
50g avelãs tostadas, mais extra para servir

Numa panela, derreta a manteiga, junte o azeite e adicione o alho francês e a cebola. Mexa para que os vegetais fiquem cobertos pela gordura. Deite 1-2 colheres de sopa de água, tape e cozinhe em lume brando. Prepare alcachofras de Jerusalém, retirando apenas as partes mais escuras e raspando a pele mais rugosa, e corte em pedaços. Acrescente as batatas e as alcachofras de Jerusalém à panela e cubra com o caldo. Cozinhe até todos os vegetais estarem cozidos (cerca de 15 minutos). Retire do lume, adicione o leite e as avelãs tostadas e deixe arrefecer ligeiramente. Reduza a puré com uma varinha mágica. Sirva com avelãs picadas.

notas: A receita original usa uma totalidade de 700g de alcachofras de Jerusalém, que eu não tinha pelo que substitui uma parte por batata. Para além do leite, Diana Henry sugere a adição de natas no final da confecção que creio não serem necessárias. A textura da sopa é bastante cremosa por si.

13 comentários:

  1. Ah, que inveja! Por aqui nunca encontro nada dessas coisas novas. Nem alcachofras de Jerusalém, nem das normais, nem ruibarbo, nem pastinacas. Uma tristeza.

    Mas já as provei, acho que salteadas, como se fossem batatinhas, e gostei muito.

    Beijo grande *

    ResponderEliminar
  2. Amiga,

    Para a próxima, compra-me umas. Olha, achei muita graça ao facto da receita ser da Diana Henry que é uma food writter de quem gosto particularmente. Tenho 2 livros dela que adoro, um deles até ofereci à Marizé (Roast Figs, Sugar Snow: Food to Warm the Soul). Vou ver se este fim-de-semana faço uma receita desse livro já que não tenho alcachofras de Jerusalém!

    beijocas

    ResponderEliminar
  3. Eu também sou dada a esses pequenos prazeres de grande alegria! Mas, tal com a Mariana, nunca encontro nada dessas coisas...vou-me deliciando com ao relatos e com as fotografias! Um beijinho :)

    ResponderEliminar
  4. Oh God! Isso tem um aspecto divino! Não sei se me aventuro a fazer uma maravilha dessas, mas as fotos entram pelos olhos dentro!!!
    http://amarycanlife.blogspot.com/

    ResponderEliminar
  5. Está mesmo divinal.. Adorei a imagem, nunca provei e fiquei de veras curiosa! beijocas da marmita

    ResponderEliminar
  6. Nunca tinha visto, nem diria que era uma alcachofra. Dessas só mesmo as enlatadas é que já provei e gostei. Imagino as frescas :) A sopa está mesmo com um aspecto muito suave!

    ResponderEliminar
  7. Ainda ontem fiquei a pensar nas alcachofras de Jerusalém, depois de ver uma receita no livro do restaurante Leon.
    Agora com esta tua sopa, que vontade tenho de experimentar!
    Vamos ver se encontro.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  8. Eu AMO alcachofra de Jerusalem (q entretanto sao nativas da america do norte). ha mais ou me nos 1 mes atraz fiz uma sopa e ficou simplesmente divina.

    Este tipo de alcachofra e um excelemte substituto para a batata para quem tem diabetes. Na minha coloquei "microgreens" e fiz um crouton de parmesao. para a proxima tento com avela deve ficar delicioso. TB usei Vinho Madeira em vez de leite.
    beijinhos

    ResponderEliminar
  9. Estou sendo apresentada agora à essa alcachofra. Provaria com muito gosto!
    Bjs.

    ResponderEliminar
  10. muito obrigada pelo nigel slater, fiquei apaixonada, depois de fazer este bolo: http://bazardasufragista.blogspot.com/2011/02/poppy-seed-cake.html
    e depois de ver o "toast". tão lindo.

    ResponderEliminar
  11. A beleza do simples é muitas vezes ignorada, desprezada,, A ternura da vida está nas pequenas coisas e pequenos gestos. Esta receita parece muito saborosa, cremosa..ainda nao recebeci estes moços na minha cesta. Quando começam a aparecer vem muitos.x

    ResponderEliminar
  12. Suzana,

    É sempre uma delícia saber qual o "destino" que levam os vegetais, depis de sairem da nossa loja. :)

    E estes, a julgar pelas excelentes fotos, foram tratados com todos os cuidados.

    Tem um aspecto muito bom!

    ResponderEliminar

Obrigada pelo seu comentário!